SEXUALIDADE SAGRADA: NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR

Atualizado: Abr 17

O ato do amor é o mais elevado e oculto de todos os mistérios 

Foto- formação em extensão em gineterapia em São Paulo.


A Sexualidade Sagrada e a  ciência e a arte de articular os princípios masculino e feminino dentro de nós e no relacionamento com o parceiro. É o caminho da felicidade. O reconhecimento da fonte infinita de bem-aventurança. 

A caminhada da Sexualidade Sagrada apresenta uma série de rituais e técnicas que usam a enorme energia criativa da paixão sexual para levar-nos a um estado de consciência superior.



A Sexualidade Sagrada não é uma licença para a luxúria ou desenfreio sexual, sua prática exige grande disciplina. É sexualidade no contexto espiritual. É o retorno a origem que nos criou, fazendo-nos  conscientes da fonte de energia e transformando-nos em um com ela. Este caminho nos leva a penetrar profundamente na dimensão física.  Quando nos conectamos com esta energia – mesmo que seja por alguns momentos-  nunca voltamos a ser os mesmos.

Este  caminho não é ligado a nenhum sistema de crenças ou religião. É um caminho de ação que funciona em todos os níveis da vida, fortalecendo o corpo, sutilizando as emoções, melhorando os processos de pensamento e conduzindo a um equilíbrio que possa abrir as portas da percepção espiritual, fazendo-nos sentir mais vitais, saudáveis e radiantes. 

Dizem que a nossa essência é amor, mas nossa civilização bloqueou a expressão do amor, quando condenou a sexualidade, porque o amor é energia sexual transformada. Para conhecer a verdade intrínseca do amor é preciso conhecer o sexo como poder divino.

Existem técnicas antigas que ensinam a levar energia através dos caminhos astrais do corpo com o objetivo de produzir uma alquimia interna para magnetizar a medula espinhal, atraindo a energia etérica  ao fluido cerebrospinal e alterando suas propriedades elétricas.

Este é o segredo da regeneração do fogo cósmico. As técnicas de respiração  e  meditação  limpam  e desbloqueiam o latente túnel  entre o cóccix (a reserva sacra de fluido cerebrospinal) e a cavidade craniana. 

Depois, o fluido eletricamente carregado – também chamado Shakti, Fogo Cósmico ou Kundalini, inunda os purificados canais do cérebro com energia cósmica. 

Isto ativa o Terceiro Olho, assento da consciência individual, que estimula a sua vez as glândulas pineal e pituitária,  elos diretos a consciência cósmica.

 Este processo transforma todo o sistema nervoso. Os sentidos se expandem e se produz uma intensa vibração percorrendo o sistema nervoso central.

A maioria das pessoas conhece o sexo como alivio das tensões, mas desconhece a qualidade orgásmica 

O orgasmo é sempre divino, é o samadhi, o êxtase.

O outro, o ser amado, abre a porta, se transforma na ponte, para poder unirmo-nos com a divindade.

Mas a maioria das pessoas não compreende isso porque se encontram por carência e não por estar cheios de energia para dar. Milhões de mulheres vivem e morrem sem ter experimentado nunca o orgasmo. 

E se ignoramos a capacidade de ter grandes explosões orgásmicas ou estados de êxtase não podemos compreender a espiritualidade.

Quando a mulher não pode ter orgasmo o homem também não pode, porque o orgasmo é o encontro pleno, a fusão dos dois. Ejaculação é possível, mas orgasmo não. 

Pensa-se que orgasmo é só descarrego genital. O verdadeiro orgasmo é total, da cabeça aos pés, em todo o ser. É um estado em que o corpo vibra como eletricidade, é uma dança, são ondas de energia pulsando, vibrando. 

Este é o significado do Fogo Sagrado que se ascende na base da coluna. A energia congelada, cristalizada, se derrete e transforma-se em uma   com o parceiro, com as árvores, com as estrelas, com  o universo.

Mas este tipo de orgasmo precisa de tempo para penetrar profundamente um no outro. Então cada fibra do nosso corpo vibrará com ele. O corpo completo será uma orquestra. 

Se fizermos o amor com pressa, pensando em outra coisa, sem preparar-nos  para o ato de entrega e cerimônia, nos sentiremos cansados e deprimidos porque a energia foi desperdiçada, não aconteceu o processo de limpeza e regeneração.

Vatsyayam, mestre indiano, autor do livro mais antigo sobre sexo, o Kama- Sutra, diz que se fazemos o amor intensamente uma vez por ano é suficiente, a emanação posterior continuará por muitos meses. 

Porque na prática da sexualidade sagrada os parceiros se unem doando energia um para o outro e criando um círculo onde a vida é renovada. Reconhecendo o corpo como o complemento divino do espirito.

Começamos o processo criando esse círculo dentro de nós; unindo a nossas energias masculinas e femininas internas, para depois criá-lo com o parceiro.

Quando a energia sexual flui tudo se ativa. Temos força, saúde, vitalidade. Estamos sintonizadas, em harmonia, criativos, vibrando, em equilíbrio

E nunca é tarde para começar. Muito pelo contrario, na pratica da sexualidade sagrada reside a mítica fonte da eterna juventude. 

13 visualizações